Brasileiros ocupam a segunda posição no Turismo de Compras em Portugal

Os turistas brasileiros ocupam a segunda posição no Top do Turismo de Compras em Portugal e gastam, em média, 311 euros em compras, sete vezes mais que os clientes nacionais.

 

Segundo a Global Blue, empresa de transacções tax free, “no mix de compras estão as lojas de roupa e moda, com um gasto médio de 237 euros, e relógios e jóias, com 1.300 euros. Estas compras são feitas, sobretudo, na Av. da Liberdade, no El Corte Inglês, na Baixa, no Colombo e no Freeport”, acrescentando que nos últimos anos, os turistas brasileiros têm vindo a reforçar a sua posição, com um crescimento sustentado, mas ainda com grandes oportunidades de expansão e de negócio.

A importância do mercado brasileiro para o Turismo de Compras em Portugal esteve recentemente em destaque nas Tax Free Talks, iniciativa que a Global Blue promoveu em Lisboa, na Casa da América Latina, para analisar a importância estratégica dos turistas brasileiros e debater o desenvolvimento do turismo de compras em Portugal, noticiou o Publituris.

A iniciativa contou com a moderação da jornalista da Folha de S. Paulo, Giuliana Miranda e com a participação de Renato Leite, da Global Blue; Bernardo Cardoso, coordenador do mercado brasileiro no Turismo de Portugal; Susana Santos, do El Corte Inglés; e Pedro Miguel Silva, Associate Partner da Deloitte.

Entre os vários pontos em análise, a iniciativa apurou que o segmento de luxo, que representa uma pequena parte das compras tax free em Portugal, registou o mais importante crescimento em 2018, com um aumento de 12.4%, sendo um segmento muito procurado pelos turistas brasileiros, que gastaram, em média, 15.200 nas compras que fazem na Europa, mas no qual Portugal está a captar apenas 40% da capacidade de compra desta elite brasileira

A Global Blue identificou três pontos que precisam de ser trabalhados para atrair a elite brasileira, sugerindo que Lisboa se posicione "como um 'destino de compras' e não apenas uma porta de entrada para a Europa”, que se aumente “a oferta de lojas de luxo” e que se promova o artesanato de luxo, sendo ainda necessário “adaptar a oferta ao gosto dos international shoppers da elite brasileira e tornar o país num destino de compras essencial na Europa”.

A empresa acrescentou ainda que no entanto “é preciso incrementar o esforço de divulgação do Tax Free, uma vez que nem todos os brasileiros que visitam Portugal sabem da existência e das vantagens do reembolso do IVA nas compras”.

Para Renato Leite, Managing Director da Global Blue, iniciativas como as Tax Free Talks são “muito relevantes, porque ajudam a cadeia de valor a pensar estrategicamente o turismo de Compras e são uma oportunidade para sensibilizar as entidades oficiais para a importância deste segmento do turismo nacional”.

Fim do Ano

Fim do Ano

Subscreva a newsletter oturismo.pt
captcha 

Publicidade

Actualidade